Combustível adulterado: esquema que movimentou R$ 4,8 bi é alvo de operação

O Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado), a Receita Federal e a PRF (Polícia Rodoviária Federal) realizam hoje a segunda fase da Operação Arinna, cujo alvo é um esquema de adulteração de combustível que movimentou R$ 4,8 bilhões. Com o esquema, a organização criminosa investigada teria conseguido sonegar R$ 270 milhões em tributos federais.

Estão sendo cumpridos 11 mandados de busca e apreensão em cidades dos estados de São Paulo e do Mato Grosso.

A nova operação foi deflagrada depois que novas investigações apontaram que as empresas Sun Energy Indústria e Comércio, Importador e Exportador de Lubrificantes e Aditivos Eireli e a Confidence Trading Comércio, Importação e Exportação de Produtos Químicos Eireli, alvos da primeira fase da operação, comercializaram, aproximadamente, R$ 82 milhões de Nafta. Essa substância é conhecida por ter a composição química muito semelhante à da gasolina e um custo menor.

As duas companhias obtinham autorização da ANP (Agência Nacional do Petróleo) para aquisição de Nafta sob a justificativa de que o produto seria utilizado como insumo pela indústria petroquímica.

LEIA MAIS:  Mudanças climáticas e crescimento populacional desafiam indústria de alimentos

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *